header top bar

section content

Hospital da UFC bate recorde na realização de transplantes de médula óssea

No mês passado, o Hospital Universitário Walter Cantídio, em parceria com o Hemoce, realizou 10 procedimentos. A média é de 5 atendimentos a cada mês

Por Diário do Nordeste

04/08/2019 às 06h04

No mês passado, o Hospital Universitário Walter Cantídio, em parceria com o Hemoce, realizou 10 procedimentos. A média é de 5 atendimentos a cada mês (Foto: ilustrativa)

O Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC) alcançou, no último mês de julho, um recorde na realização de transplantes de medula óssea. O serviço atendeu 10 pacientes, superando a média de 5 procedimentos que são feitos mensalmente. O Serviço de Transplante de Medula Óssea, uma parceria entre o HUWC e o Hemoce, contabiliza agora 476 transplantes, em 11 anos de atendimento (desde 2008).

Para o Dr. João Paulo Vasconcelos, um dos médicos envolvidos na equipe multidisciplinar do serviço, o recorde sinaliza que a ansiedade dos pacientes que estão na fila dos transplantes pode ser reduzida.

“Quando você consegue atender uma quantidade maior de pessoas assim, quem está na fila vê que é possível haver celeridade no processo”, observa João Paulo.

O médico situa que uma equipe multidisciplinar dá conta do procedimento: médicos, fisioterapeutas, enfermeiros, farmacêuticos e os técnicos do hospital realizam o serviço. “Além do pessoal do Hemoce no suporte na hemoterapia”, acrescenta.

Para realizar o procedimento, segundo o médico, o paciente, basicamente, faz uma sessão de quimioterapia e recebe um tipo de “infusão” na veia. Quando não há complicações, a internação dura de três a quatro semanas.

Indagado se existe uma meta do serviço para ampliar o atendimento (e aumentar a média de 5 procedimentos mensais) ou se o HUWC já opera no limite, nesse sentido, João Paulo enfatiza que a equipe hospitalar faz o possível, a fim de atender o maior número de pacientes.

“Existe uma demanda reprimida (de transplantes) no SUS (Sistema Único de Saúde). No serviço privado, não é tanto assim. A gente sempre tenta otimizar os leitos pra atender mais gente”, destaca.

Detalhes

Dos 10 procedimentos realizados no período, 7 foram “autólogos”, 2 “alogênicos” e 1 “haploidêntico”. O transplante autólogo é quando acontece o autotransplante. No transplante alogênico, as células precursoras da medula provêm de outro indivíduo (doador), de acordo com o nível de compatibilidade do material sanguíneo.

Já no haploidêntico, o transplante acontece com a medula de parente de primeiro grau, como pai ou irmão do paciente, em que há apenas metade da compatibilidade.

Fonte: Diário do Nordeste - https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/metro/online/hospital-da-ufc-bate-recorde-na-realizacao-de-transplantes-de-medula-ossea-1.2131276

Recomendado para você pelo google

HOMENAGEM

VÍDEO E FOTOS: Familiares e amigos celebram o centenário do cajazeirense, José Rolim Guimarães

CULTURA

Professoras da UFCG de Cajazeiras lançam livro sobre ‘Ética, Bioética e Controle Social da Ciência’

RELIGIÃO

VÍDEO: Festa de Nossa Senhora da Guia, padroeira de Patos é oficialmente lançada. Confira a programação!

SOLUÇÃO

VÍDEO: Continuando série sobre o lixão, Xeque Mate fala de ações para resolver problemática do lixão