header top bar

section content

Aluna de universidade do Ceará forjou narrativa de estupro para se vingar de universitário, diz polícia

Estudante que era considerado suspeito teve a prisão preventiva revogada

Por G1 CE

04/11/2019 às 09h19

A adolescente de 17 anos que afirmou ter sido estuprada por um estudante da Universidade Federal do Ceará (UFC) forjou uma narrativa de estupro por “vingança”, de acordo com a delegada Arlete Silveira, titular da 12ª Delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Para a investigadora, a “farsa foi muito bem montada”. O estudante que era considerado suspeito teve a prisão preventiva revogada.

No relato, a adolescente admitiu ter forjado a narrativa de estupro por “vingança”. A garota disse ter sido vítima de crime sexual em via pública.

VEJA TAMBÉM: 

UFC abre sindicância para apurar denúncias de crimes sexuais; Leia trecho do relato de uma vítima

O mistério da morte de “Dão do Karatê” e um caso de estupro em segredo de justiça desde 2017

Conforme a delegada responsável pelo caso, a aluna havia sofrido uma situação de violência sexual há alguns anos, caso que não foi denunciado ou investigado, e agora teria criado uma nova situação para denunciar o estudante.

“O rapaz não tem nada a ver com a história. Foi uma vingança porque ele [o caso denunciado pela aluna] representou, simbolizou, toda uma dor coletiva, um caos coletivo, e ali julgaram ele”, explica a delegada. Ela considera que o falso relato de estupro “prestou um desserviço às mulheres”.

Falsas ameaças

Para forjar a narrativa do estupro, a adolescente criou duas contas falsas na rede social Instagram e passou a enviar ameaças para ela mesma, mas atribuindo-as a um universitário. Contudo, conforme a delegada, nenhum rastro foi encontrado nos aparelhos eletrônicos do estudante. Já nos da jovem, a polícia encontrou.

Uma das mensagens dizia: “nós se encontra já, ainda bem que ‘tá’ de saia já ajuda no trabalho, tem gente te seguindo aí dentro gatinha, acho bom você ficar esperta”. Por outro perfil, ela enviou: “cansei de brincadeira. Se eu te pegar sozinha pelo Pici, não vai ter perdão eu vou fazer o que eu sempre quis com você”.

Prisão e soltura de universitário

A Polícia Civil recebeu três denúncias de estupro cometido pelo mesmo aluno. Duas delas são falsas, conforme a delegada. No caso que segue em investigação, uma aluna afirma que foi vítima de estupro coletivo dentro da UFC. Conforme o depoimento dela, dois homens a seguraram enquanto um terceiro a estuprou, em abril deste ano.

Diante das acusações, um universitário ficou preso durante seis dias, em uma delegacia no Bairro de Fátima. Porém, na tarde de quinta-feira (31), a Justiça Estadual revogou a prisão do jovem após pedido da própria Polícia Civil. “A gente tem a missão de protegê-lo. Houve um linchamento virtual”, afirma Arlete Silveira. O aluno foi solto na noite de quinta.

Em nota emitida na semana passada, a UFC informou que abriu sindicância para apuração e adoção de “providências cabíveis”.

“Ao mesmo tempo em que repudia, veementemente, todo e qualquer ato de violência, a UFC informa que o procedimento de sindicância é realizado sob sigilo, a fim de preservar os nomes das vítimas e de não prejudicar as investigações”, declarou a Universidade.

Além disso, a instituição afirma que vai redefinir a logística de segurança e reavaliar o posicionamento de postos de vigilância no campus do Pici, além de ampliar as condições de iluminação e substituir lâmpadas em determinadas áreas do local.

Fonte: G1 CE - https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2019/11/01/estudante-de-cursinho-da-ufc-forjou-narrativa-de-estupro-para-se-vingar-de-universitario-diz-policia.ghtml

Recomendado para você pelo google

EDUCAÇÃO

VÍDEO: Xeque Mate fala sobre tradicional colégio de Cajazeiras e recebe diretora, professoras e alunas

ALUNOS DÃO SHOW

VÍDEO: 3º dia da Mostra de Conhecimentos destaca a natureza, tecnologias, leitura, teatro e matemática

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: advogado sousense fala sobre a redução da maioridade penal. Você é contra ou a favor?

VÍDEO

Dra Paula fala sobre dificuldades na gestão do seu esposo em Cajazeiras e diz ser contra demissões