header top bar

section content

Tempo de Justiça: garçom é sentenciado a 16 anos de prisão por assassinar travesti, no Ceará

O crime ocorreu na madrugada de 16 de novembro de 2018 por motivação torpe e com dificuldade de defesa da vítima

Por Ascom - MPCE

04/11/2019 às 09h08

O Conselho de Sentença da 3ª Vara do Júri da Comarca de Fortaleza sentenciou, no dia 30/10/2019, um garçom à pena de 16 anos de reclusão (em regime inicialmente fechado) pelo crime de homicídio triplamente qualificado cometido contra a própria companheira, cujo nome social era “Flávia”. A sentença atende a uma denúncia ajuizada, em 30 de janeiro de 2019, pelo Ministério Público do Ceará (MPCE). O processo foi amparado pelo Projeto Tempo de Justiça e o resultado é fruto do trabalho da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil, em conjunto com as Promotorias de Justiça do Júri.

O crime ocorreu na madrugada de 16 de novembro de 2018, na rua Oscar Romero, no bairro Planalto Ayrton Senna, por motivação torpe e com dificuldade de defesa da vítima. O garçom, empregando instrumento perfurocortante (faca), desferiu vários golpes contra a vítima, gerando, por via de consequência, seu óbito imediato. Na noite do dia 15 de novembro, ao fechar seu estabelecimento comercial (salão de beleza) a vítima saiu em busca do seu companheiro que se encontrava bebendo em um bar.

VEJA TAMBÉM: 

Polícia investiga tentativa de homicídio contra travesti, em Juazeiro do Norte

Jovem confessa assassinato de travesti e afirma que foi agredido pela vítima, no Ceará

Ao encontrar o réu, Flávia permaneceu com este, vindo, posteriormente, a ir para outro bar, na companhia do mesmo. Já em outro botequim, passado determinado lapso temporal, o réu e a vítima iniciaram uma discussão, motivada pela não aceitação por parte de Flavia em relação ao modo de viver do réu, que ingeria, de forma constante, droga ilícita e álcool. Ainda durante a discussão, acusado e vítima se retiraram do local, ambos indo para a residência de propriedade da vítima, local em que o réu também residia.

Ao chegarem à residência, ainda durante as discussões, o suspeito, utilizando-se de uma faca, atacou a vítima, proferindo diversos golpes, acertando-a 17 vezes, o que gerou, seu óbito. Em seguida, o acusado se retirou da residência em que morava com a vítima e, objetivando dificultar qualquer chance de socorro ou descoberta, trancou a residência de todas as formas possíveis, retornando, posteriormente, para um bar, circunstâncias em que continuou a ingerir bebida alcoólica.

O corpo da vítima permaneceu no local do crime até a manhã do dia 18 de novembro de 2018, oportunidade em que os vizinhos, sentindo o mau cheiro proveniente da casa de Flávia, buscaram contato com sua família, oportunidade em que foi descoberto o cadáver em avançado estágio de putrefação. Em relação à materialidade do crime, restou demonstrada pelo relatório, bem como pelo Laudo de Exame Cadavérico que concluiu: “tratar-se de morte real causada por traumatismo torácico penetrante por instrumento perfuro cortante”.

O modo de execução percorrido pelo réu, quando decidiu proferir 17 facadas contra sua companheira, em locais diversos do seu corpo, objetivando seu falecimento, adequou-se, de forma clara, à qualificadora prevista no inciso III (meio cruel), prevista no artigo 121, § 2º. Registra-se, também, a adequação normativa da qualificadora do feminicídio (artigo 121, § 2º, inciso VI na forma do § 2º-A, inciso I), uma vez que o fato se deu por conta de conflitos dentro do relacionamento, nutrindo, inclusive, forte sentimento penoso e de superioridade perante sua companheira (Flávia). Assim, entende o Ministério Público que tal qualificadora abrange, logicamente, lésbicas, transexuais e travestis, que se identifiquem como do sexo feminino.

Tempo de Justiça

O programa “Tempo de Justiça” é uma parceria entre Ministério Público, Poder Judiciário, Defensoria e Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, recebendo apoio técnico da Vice-Governadoria do Estado. O Comitê realiza reuniões mensais com todos os órgãos para avaliação dos resultados e identificação de problemas, desde a fase de inquérito até o julgamento, com a finalidade de propor medidas para reduzir os índices de criminalidade no Estado, por meio do aumento da celeridade dos processos judiciais.

Por Ascom MPCE

Recomendado para você pelo google

EDUCAÇÃO

VÍDEO: Xeque Mate fala sobre tradicional colégio de Cajazeiras e recebe diretora, professoras e alunas

ALUNOS DÃO SHOW

VÍDEO: 3º dia da Mostra de Conhecimentos destaca a natureza, tecnologias, leitura, teatro e matemática

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: advogado sousense fala sobre a redução da maioridade penal. Você é contra ou a favor?

VÍDEO

Dra Paula fala sobre dificuldades na gestão do seu esposo em Cajazeiras e diz ser contra demissões