header top bar

section content

EXCLUSIVO: Advogado revela novidades sobre a ‘chacina dos adolescentes’ de Cajazeiras; eles foram mortos com tiros na cabeça

Os assassinatos de três adolescentes cajazeirenses há 14 anos permanecem sem solução por parte da Justiça. O crime ocorreu no dia 09 de maio de 2004

Por Jocivan Pinheiro

11/05/2018 às 16h44 • atualizado em 11/05/2018 às 20h20

Os assassinatos de Demétrius Cavalcante Silva, 17 anos, Cícero Roberto da Silva Sousa, 16 anos, e José Filho Alves Ribeiro, 14 anos, permanecem sem solução por parte da Justiça. O crime que ficou conhecido como “chacina dos adolescentes” ocorreu no dia 09 de maio de 2004.

Os corpos foram encontrados em um matagal a cerca de 10 km do município de Ipaumirim, no Ceará. Os três adolescentes, que moravam em Cajazeiras, foram executados com tiros na cabeça. Até hoje não se sabe por quem nem por quê. 14 anos depois, a Justiça ainda não deu uma resposta à família das vítimas e à sociedade cajazeirense.

Nesta semana a Câmara Municipal de Cajazeiras realizou uma sessão especial para debater a violência contra criança e adolescente, e na ocasião o crime foi lembrado pelo advogado criminalista Noaldo Meireles, que hoje é presidente da Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente (FUNDAC).

Segundo ele, o caso ficou por quase dez anos apenas em fase de inquérito policial e somente por volta de 2012 é que avançou na Justiça, quando o próprio Meireles atuou como defensor público a pedido do deputado federal Luiz Couto.

VEJA TAMBÉM: Câmara de Cajazeiras lamenta ausências de importantes órgãos em sessão especial sobre violência contra criança e adolescente

Corpos dos adolescentes foram encontrados em um matagal com tiros na cabeça

Noaldo Meireles revelou que nesta semana o caso voltou a ser movimentado ao retornar do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) para a Comarca de Cajazeiras. Ele estranha tantos anos sem resultado e diz que vai conferir se os recursos foram julgados para, finalmente, haver a designação da sessão com júri, ou se foram baixados novamente em diligência.

“Não é razoável um processo durar 14 anos. A sociedade precisa dessa resposta. É importante que ninguém esqueça porque nós temos um sistema jurídico com atribuições, então você tem meios legais de resolver conflitos. Se um adolescente comete um ato infracional ou um adulto comete um crime, ninguém está autorizado por lei a fazer vingança com as próprias mãos, e sociedade cajazeirense não merece esse tipo de coisa”.

DIÁRIO DO SERTÃO

VÍDEO: Psicologia no Ar recebe diretores e psicóloga de organização que promove cidadania em Cajazeiras

NOVIDADES

Xeque-Mate visita lançamento do novo plano da Eletrosorte, que firmou parceria com gigante dos seguros

FUTEBOL DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Dirigentes e ex-jogadores relembram histórias marcantes do Duque de Caxias, que completou 50 anos

VÍDEO: Programa de rádio que é sucesso na região de Campina fecha parceria com emissora de Cajazeiras