header top bar

section content

Concurso da Câmara Municipal de Fortaleza tem número de vagas e banca organizadora definidos

Serão 31 vagas para servidores efetivos da casa legislativa. A Fundação Carlos Chagas foi contratada para organizar a seleção.

Por G1 CE

09/07/2019 às 10h21

Serão 31 vagas para servidores efetivos da casa legislativa. A Fundação Carlos Chagas foi contratada para organizar a seleção.

A Câmara Municipal de Fortaleza autorizou a realização do seu primeiro concurso público, que terá 31 vagas para servidores efetivos da casa legislativa. A banca organizadora do edital será a Fundação Carlos Chagas (FCC).

As áreas e os salários ainda não foram definidos pela Câmara de Fortaleza. Atualmente, a casa possui cerca de 2 mil funcionários, sendo a maioria em cargos comissionados.

A contratação da banca foi feita através de dispensa de licitação, visto a urgência para a realização do concurso. A dispensa foi publicada na sexta-feira (5) no Diário Oficial do Estado.

O Ministério Público do Ceará já havia orientado a Câmara a realizar o concurso público no prazo de três meses, em fevereiro passado. A previsão é que o edital seja publicado ainda no mês de julho.

O valor da contração da empresa para o concurso deve variar entre R$ 608 mil a R$ 1,5 milhão. Os recursos devem ser aplicados na contratação de todo o pessoal que dará apoio à realização das provas, fiscais e componentes da banca de avaliação das provas práticas.

Fonte: G1 CE - https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2019/07/09/concurso-da-camara-municipal-de-fortaleza-tem-numero-de-vagas-e-banca-organizadora-definidos.ghtml

Recomendado para você pelo google

ENTREVISTA

Presidenta do Coren diz que enfermeiro pode ter clínica, luta pelo piso salarial e fala sobre concursos

POSSÍVEL CANDIDATO

VÍDEO: Ex-prefeito de Cachoeira dos Índios revela quais os ‘vices dos sonhos’ para sua chapa em 2020

AVENIDA LOTADA

VÍDEO: Show de comunidade católica famosa em todo o Brasil reúne multidão em São José de Piranhas

TERRAS

VÍDEO: Diversidade em Foco fala da Comissão Pastoral da terra e da luta agrária no sertão