header top bar

section content

Estado vai pagar R$ 10 mil de indenização por levar menor à delegacia sem ordem judicial, em Itaporanga

A condução de uma menor de idade em viatura da Polícia sem mandado judicial gerou dano moral por meio de julgamento na 1ª Vara Mista da Comarca de Itaporanga

Por Diário do Sertão com GECOM/TJPB

15/09/2021 às 10h39

Fórum Juiz João Espínola Neto, na cidade de Itaporanga, no Vale do Piancó. (Foto: reprodução/internet).

Em sessão virtual, a Primeira Câmara Especializada Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba decidiu que o Estado da Paraíba deve ser responsabilizado pela ação de agentes da Polícia Civil de conduzir uma menor de idade à delegacia, sem a existência de mandado judicial. O caso foi julgado nos autos da Apelação Cível nº 0000462-97.2009.8.15.0211, oriunda do Juízo da 1ª Vara Mista da Comarca de Itaporanga, no Vale do Piancó. A relatoria do processo foi da Desembargadora Fátima Bezerra Cavalcanti.

Na primeira instância o Estado foi condenado a pagar uma indenização, por danos morais, no valor de R$ 10 mil. Esse valor foi mantido, em grau de recurso, pela relatora do processo. “A fixação do dano moral em R$ 10.000,00 é razoável para o caso em questão, valor que serve para amenizar os transtornos, bem como para servir como fator de desestímulo, a fim de que o réu não torne a praticar novos atos de tal natureza”, pontuou.

VEJA TAMBÉM

Prefeitura de Cajazeiras nega aparelho ortopédico para criança e é condenada pela Justiça da Paraíba

Em seu voto, a relatora destacou que sendo a Polícia Civil um dos órgãos componentes do aparato da segurança pública prestada pelo Estado, sempre que um de seus policiais, nessa qualidade, vier a causar danos a terceiros, responderá o Poder Público por estes danos, independentemente de culpa, podendo, contudo, ressarcir-se dos prejuízos sofridos com a referida indenização, por meio de ação regressiva, contra o agente policial causador do dano.

“Desde o momento em que a Administração outorga competência para determinado agente exercer uma atividade pública, seja guardar um bem, fiscalizar, proteger a sociedade ou patrimônio público, passa ela a assumir os riscos sobre a execução dessa atividade, ficando obrigada a ressarcir os eventuais danos dela oriundos”, frisou.

Da decisão cabe recurso.

DIÁRIO DO SERTÃO

POSTES NÃO FUNCIONAM

VÍDEO: Assaltos aterrorizam moradores do Residencial Cajazeiras por causa da escuridão: “Queremos luz”

NA ZONA RURAL

VÍDEO: Mulher denuncia abandono de posto de saúde em Cajazeiras: “Quem se consultam são os cavalos”

FORÇA PARLAMENTAR

VÍDEO: Wilson Santiago e Wilson Filho comemoram início das obras em Escola de Uiraúna

CAFÉ EMPREENDEDOR

VÍDEO: Faculdade Santa Maria realiza evento com a atriz Maitê Proença e o humorista Hélio de la Peña

Recomendado pelo Google: