header top bar

section content

Sobrevivente de chacina no CE se fingiu de morto; moradores de Cajazeiras estão deixando o local

Casas vizinhas ao 'Forro do Gago' são postas à venda.

Por Luzia de Sousa

30/01/2018 às 07h50

Casa ao lado do "Forró do Gago", onde aconteceu a maior chacina do Ceará, foi anunciada à venda após o massacre. (Foto: Cinthia Freitas/G1 CE)

Um menino de 12 anos que sobreviveu à maior chacina do Ceará, no clube “Forró do Gago”, no Bairro Cajazeiras, se fingiu de morto ao levar o primeiro tiro na coxa. Outra criança que ajudava o pai na venda de lanches foi baleada e ameaçada, segundo relato de uma moradora da comunidade. A testemunha também contou ao G1 que outros sobreviventes, entre eles mulheres grávidas, pularam muros e se esconderam embaixo do palco para escapar dos atiradores.

+ VÍDEO: Perícia do Ceará divulga os nomes dos 14 mortos em chacina de Cajazeiras

A reportagem esteve no local por volta de 15h desta segunda-feira (29) e encontrou alguns comércios fechados, casas vizinhas anunciando a venda dos imóveis e moradores que preferiam ficar dentro das casas; alguns relataram medo.

A família do menino de 12 anos sobrevivente do caso, filho do vendedor de cachorro-quente conhecido como Marrom, morto no local, foi embora do bairro.

A chacina ocorreu na madrugada deste sábado (27), quando criminosos, supostamente integrantes de uma facção, chegaram ao clube atirando. Ao todo, 14 pessoas foram mortas. A maioria mulheres. O caso é tratado como a maior chacina do Ceará.

Uma moradora da comunidade que não quis ser identificada conversou com o G1 e afirmou que o grupo autor do crime pertence a uma facção, e chegou ao local dividido em três carros e duas motos. Entre eles havia mulheres, e todos tinham os rostos cobertos, usavam roupas pretas, coletes e armamento pesado, incluindo fuzis, segundo a moradora.

“Não citaram nome de ninguém, foram atirando pra tudo quanto era lado, sem querer saber se era criança que tava na calçada, foi total terror. Até as crianças foram ameaçadas por eles. Não foi só no Forró do Gago que eles chegaram amedrontando todo mundo, foi no bairro todo, andaram rua por rua atirando sem rumo”, conta a mulher.

Conforme o relato da testemunha, uma criança sobrevivente foi baleada e ameaçada pelos criminosos. “A criança no chão, eles disseram assim: ‘tu só não vai ser morto porque as balas acabaram’. Isso é coisa que se faça?”.

Três das 14 vítimas da chacina tinham passagens na polícia
Familiares dela estavam na festa e sobreviveram. “Tinha gente se escondendo debaixo do solo do palco, entre as caixas de som, no banheiro. Eles se esconderam em todo canto que podiam.”

A testemunha diz ainda que vive no local desde que nasceu e nunca tinha presenciado situação parecida. “Nunca tinha visto nada igual”, afirma.

“Ainda vem dizer que não é pra gente ficar amedrontado, com trauma. Como a gente não vai ficar, se a gente tem filho, tem mãe, pai, irmão, que não são envolvidos, são cidadãos”, diz a moradora da comunidade, referindo-se à declaração dada pelo secretário de Segurança do Ceará, André Costa, no dia do massacre, alegando que “não há motivo para pânico e temor”.

G1

Tags:
EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em continência ao Senhor Jesus recebe o pastor Ismar e a cantora Rafaela Amaro; CONFIRA!

INTERVIEW

Cantor de São João do Rio do Peixe fala sobre sua trajetória de sucesso e recorde de público nos shows

RESPOSTA

VÍDEO: Energisa esclarece quedas de energia que aconteceram em Sousa e garante agilidade na manutenção

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em continência ao Senhor Jesus recebe os membros da Assembléia de Deus Canaã e Luciana Batista